O Bicho-papão existe?

2021-11-05

O Bicho-papão existe?

É óbvio que não. A resposta está dada. Contudo, é importante perceber de onde é que este mito surgiu e porque o Bicho-papão assusta tanto as crianças. Continue a ler para saber mais sobre estes monstros que habitam a imaginação dos mais novos.

 

Não importa o nome...

Podem ser chamados de muitas formas. Bicho-papão ou Homem do Saco são as versões mais conhecidas destes monstros que vivem debaixo da cama. Servem unicamente para os pais poderem controlar determinados comportamentos das crianças. Atenção, pais: existem outras formas de o fazer!

 

Muito, muito assustadores

O mundo é um lugar novo para as crianças, onde existem tantas coisas por descobrir. Para além disso, nesta fase da vida, elas não questionam aquilo que os pais dizem. Portanto, se aparece um monstrinho se não vão para a cama cedo, é porque vem mesmo. Junte-se a isto a imaginação que começa a ficar mais vívida entre os 4 e os 5 anos. E desta forma, esses monstros começam a ganhar braços extra, olhos na testa e uma vontade insaciável de sair debaixo da cama para agarrar crianças.

 

Uma origem muito remota

Peter Gray, professor de psicologia da Universidade de Boston, defende que o mito do Bicho-papão provém da época dos caçadores-coletores, em que as crianças temiam a hora de dormir por causa do medo de serem atacadas por animais selvagens. Esta pode ser a origem deste ícone do bestiário e que ainda hoje está presente no nosso imaginário.

 

São assim tão assustadores?

É certo que o Bicho Papão está muito enraizado na cultura popular. Contudo, a sua imagem tem vindo a ser trabalhada pela literatura e pelo cinema para conseguir um aspeto mais amigável. O Papão no Desvão é um bom exemplo de livro. No cinema, Monstro Inc., da Disney Pixar, são o melhor exemplo de como estes monstros podem ter um aspeto bem simpático e divertido.

 

Talvez este seja um bom momento para lembrar ao seu filho que o Bicho-Papão não existe e evitar que tenha pesadelos durante a noite.

Deixe o seu comentário!